#CRFB3 #WALM34 #PCAR4 #VVAR3 #PCAR3Pão de Açúcar (PCAR3) - PRÉVIA - R... - GuiaInvest

Ibovespa

Desconectado
Crie sua conta
ou
faça o login
para criar sua lista de ações
TOP
Bob
  • 22 de abril de 2020 às 11:52
#CRFB3 #WALM34 #PCAR4 #VVAR3 #PCAR3

Pão de Açúcar (PCAR3) - PRÉVIA - RECOMENDAÇÕES:

O Grupo Pão de Açúcar divulgou prévia do primeiro trimestre deste ano e informou uma receita bruta consolidada de R$ 21,6 bilhões. O resultado inclui as operações no Brasil, Colômbia, Argentina e Uruguai. Apenas no Brasil, a receita bruta avançou 15% no primeiro trimestre para R$ 15,9 bilhões. No conceito “mesmas lojas” o crescimento no faturamento bruto foi de 6,9%.

Segundo o grupo, o crescimento mais expressivo foi na rede de lojas de atacarejo Assai, com uma expansão de 23,8% no faturamento bruto no período, sobre o primeiro trimestre de 2019, para R$ 8,54 bilhões. No conceito mesmas lojas, que leva em conta apenas unidades abertas há doze meses, a expansão de vendas brutas no Assai foi de 7,1%. Outro destaque nas vendas foi a rede de supermercados Éxito da Colômbia, onde o faturamento bruto avançou 12,1%, no conceito mesmas lojas, para R$ 5,71 bilhões.

O banco Bradesco BBI avaliou que os resultados prévios do Grupo Pão de Açúcar no primeiro trimestre foram positivos, mostrando o impacto da epidemia do coronavírus no aumento das vendas. “O faturamento no Brasil chegou 2% acima das nossas projeções”, comentou o BBI. Segundo o banco, o formato Multivarejo, que inclui todas operações do Extra e do supermercado Pão de Açúcar, teve uma expansão de vendas de 6,1%, superior à estimativa de 5% feita pelo BBI. A expansão de vendas do atacarejo Assai, de 7,1%, chegou ligeiramente abaixo da estimativa do BBI, que era de 7,7%. “Mesmo assim, vemos o desempenho como bom, dada a forte base de comparação do primeiro trimestre de 2019”, comentou o banco.

Outro destaque, lembrou o BBI, foram as operações dos supermercados Éxito na Colômbia e vendas acima do esperado na Argentina e no Uruguai. “Nós continuamos a ver a PCAR3 como uma boa ação defensiva para manter no atual ambiente. A melhora no ímpeto das vendas deve dar confiança aos investidores de que as margens da empresa continuarão a melhorar em 2020”, destacou o BBI, que mantém recomendação outperform – acima da média, para o papel, com preço-alvo de R$ 86,00 para 2020 – alta de 19% sobre os R$ 72,11 do fechamento da B3 na segunda-feira.