#OIBR3 The Jetsons (em português Os Jetsons) é uma série animada de t... - GuiaInvest

Ibovespa

Desconectado
  • 114.977
  • keyboard_arrow_down0,29%
  • 15,31B
  • 18/02/20
Crie sua conta
ou
faça o login
para criar sua lista de ações
TOP
Danilo Carinhani Romanella PRO via Dono da JH
  • 25 de agosto de 2019 às 17:56
#OIBR3 The Jetsons (em português Os Jetsons) é uma série animada de televisão produzida pela Hanna-Barbera, exibida originalmente entre 1962 e 1963. Foi exibida no Brasil pela TV Excelsior.

Mais tarde a série foi relançada com novos episódios produzidos entre 1984 e 1987, como parte do programa The Funtastic World of Hanna-Barbera. Foi exibida no canal brasileiro SBT, tendo como tema a "Era Espacial".

A série introduziu no imaginário da maioria das pessoas o que seria o futuro da Humanidade: carros voadores, cidades inteligentes, trabalhos automatizados, aparelhos eletrodomésticos inteligentes que se comunicavam entre si, robôs interativos e tudo o que se podia imaginar do futuro.

O IoT - a "Internet das Coisas" - está literalmente inundando a indústria com dados captados e transmitidos por sensores em linhas de produção, equipamentos financeiros, carros autônomos, eletroeletrônicos interativos, dispositivos digitais, dispositivos comerciais e inúmeras áreas frequentadas por consumidores.

Em 2020, o mercado da Internet das Coisas Industrial (IIoT) movimentará US$ 151 bilhões, crescendo a uma taxa anual composta de 8%. Segundo a IDC, o universo de informação digital criada e distribuída por diferentes objetos inteligentes no mundo deverá representar 44 trilhões de gigabytes em 2020.

A Internet das Coisas (IoT) é um termo criado em setembro de 1999 por Kevin Ashton, um pioneiro tecnológico britânico que concebeu um sistema de sensores omnipresentes conectando o mundo físico à Internet, enquanto trabalhava em identificação por rádio frequência (RFID). Embora a Internet, as "coisas" (things) e a conectividade entre elas sejam os três principais componentes da Internet, o valor acrescentado está no preenchimento das lacunas entre os mundos físico e digital em sistemas.

Empresas que montarem um plano de negócios com uma estratégia que lhes permita extrair insights de seus dados para serem usados em tempo real nos negócios, certamente terão uma vantagem competitiva gigantesca nos próximos anos.

A adoção de IoT é considerada inevitável por especialistas.

Kazuhiro Ikebe, diretor presidente da Hitachi na América do Sul, chama a atenção para tal urgência. “A sociedade já se encontra inteiramente conectada pela internet. Mesmo sem querermos, vivemos já na era do IoT.” Em consequência disso impõe-se a necessidade de avaliar e de preparar qualquer empresário, qualquer instituição, para esta nova tecnologia.

Assinalamos por exemplo a necessidade de não só armazenar dados mas também de os processar toda essa informação, a qual não se comporta nos atuais moldes de transmissão via cabos metálicos.

O número de ''coisas” conectadas à Internet vai triplicar até 2020, atingindo um número impressionante de 38,5 biliões de dispositivos em todo o mundo. Isto irá colocar uma pressão colossal em todas as organizações que oferecem ou trabalham com dispositivos e serviços IOT-ativados. Como tudo tem que estar sempre ligado e sempre disponível para funcionar como é esperado, garantir o fluxo mútuo de dados que impulsiona a atividade destes dispositivos será o desafio maior.

O surgimento da IoT é uma oportunidade ao desenvolvimento econômico brasileiro para modernizar a indústria e torná-la mais competitiva, para melhorar a prestação de serviços e tornar as cidades mais inteligentes, melhorar a educação, a segurança e a saúde pública, além de tornar os serviços do governo mais transparentes e menos burocráticos. Esta é a oportunidade para o governo brasileiro perseguir um planejamento de médio e longo prazo para o desenvolvimento da conectividade no país e para criar soluções financeiras engenhosas para a capitalização e fomento de todo esse ecossistema.

Temos a inteligência e a criatividade para conseguirmos a inserção mundial do Brasil no mercado global de IoT, sobretudo no que tange à exportação de software e serviços, desde que persigamos em organismos internacionais as regras e padrões que melhor atendam nossos interesses.

Como falar de IoT em uma país onde a taxa de analfabetismo digital é 8% em brasileiros acima dos 15 anos (dados do IBGE de 2015)? Esse é um dos grandes problemas que os cabos por fibra óptica podem e estão gradativamente solucionando. A OI S.A hoje não foca seus esforços apenas no retorno financeiro, o qual é de suma importância para sua recuperação fiscal e judicial, mas também no retorno social, proporcionando acesso à internet para todos!

A conectividade em áreas afastadas das regiões centrais ou áreas remotas também é um dos desafios apresentados para o pleno funcionamento do IoT e com a utilização dos cabos ópticos, a possibilidade de expansão da conexão com qualidade em regiões que nunca tiveram acesso torna-se viável. Assim como o acesso a informação e pesquisa, Ensino a Distância e outros recursos essenciais para o desenvolvimento do Brasil.

Do ponto de vista do mercado, a adoção da fibra óptica gera novas oportunidades de negócios não apenas para as grandes operadoras e pequenos provedores de serviços de telecom, que precisam ampliar o seu portfólio de ofertas para conquistar mais clientes, mas também para todos os fornecedores de soluções que fazem parte da cadeia de valor do setor.

O cenário se mostra promissor para difusão em larga escala da tecnologia FTTH (Fiber to the Home). Em setembro do ano passado a OI S.A. $OIBR3 acelerou ainda mais a melhoria de serviços, intensificando sua estratégia de expansão da tecnologia FTTH. Neste ano, os investimentos não só estão à todo vapor, como também foram um dos responsáveis por interferir nos resultados trimestrais "aparentemente" ruins, que já se comprovaram estarem dentro da normalidade e projeção da RJ e que se formos analisar com mais atenção, esses números englobam um CAPEX expressivo exatamente nesse case, ou seja: uma expansão agressiva e melhorias operacionais em sua malha de fibra óptica.

O CAPEX é, portanto, o montante de investimentos realizados em equipamentos e instalações de forma a manter a produção de um produto ou serviço ou manter em funcionamento um negócio ou um determinado sistema e é exatamente esse o ponto de maior concentração dos esforços da OI no momento.

O resultado foi 11,5% de crescimento anual de receita de clientes no pós pago, 27% de crescimento anual da receita de TI do corporativo, 33% em market share de adições líquidas de pós pago no 2T219, atualização de 2,8 milhoes da casas passadas com fibra (FTTH) ao final de julho, 10,2% de penetração de casas conectadas sobre casas passadas com fibra, também e julho. Os planos da Oi são de fechar esse ano de 2019 com 3,6 milhões de residências com disponibilidade para o Oi Fibra.

A história dos "Jetsons" é de uma família que vive no ano 2062 e que convivem com um grande avanço tecnológico. Mal sabem que esse tempo JÁ CHEGOU e que 2020 será o inicio da MAIOR REVOLUÇAO TECNOLOGICA DA HUMANIDADE #OIBR3 #OIBR4
 
Shark04 PRO
Ah vai da meia hora com relógio parado fiote